top of page

E POR FALAR EM SAÚDE, COMO ANDA VOCÊ?

Na postagem anterior sobre saúde, vimos que nossos pensamentos geram sentimentos, que por sua vez definem o comportamento humano. E essa ligação está atrelada às crenças que as pessoas adquirem no decorrer de suas vidas.

Na abordagem psicológica da Terapia Cognitivo-Comportamental, Aaron Beck e Judith Beck, dois estudiosos da TCC, desenvolveram a teoria das CRENÇAS CENTRAIS, também, conhecida como Crenças Nucleares.

Explicando melhor, Crenças Centrais são entendimentos (pensamentos e sentimentos distorcidos) que as pessoas tem de si, do mundo e dos outros, que ficam enraizadas na psique e são tomadas como verdades absolutas. Quando não tratadas em psicoterapia, geralmente são acompanhadas de expressões como “eu nasci assim, eu cresci assim e serei sempre assim...”. Se a pessoa não tem percepção ou mesmo que tenha, não pretende mudar, essas crenças ficam cristalizadas.

As Crenças Centrais podem levar pessoas a desenvolverem quadros de Transtorno de Ansiedade (TAG), Transtorno de Pânico (TP), Transtornos Depressivos (TDM) e outros... Entenda-se, a desenvolverem Transtornos, e não episódios, haja vista que episódios são pontuais e qualquer pessoa pode adquirir em algum momento da vida, face um acontecimento específico (como perdas, doenças, etc) e estão dentro de uma justificativa plausível.

As Crenças Centrais estão assim classificadas:

1) Crença de Desamor: a pessoa acredita ser indesejável, indigna de amor, imperfeita, sem atrativos. Os pensamentos recorrentes são, por exemplo, “não sou boa nem querida, não mereço o amor de alguém...”

2) Crença de Desvalor: a pessoa acredita não possuir valor, se julga incompetente e não ser merecedora de algo. Os pensamentos recorrentes são, por exemplo, “não tenho valor, não sou digna de atenção, não mereço viver...”

3) Crença de Desamparo: a pessoa pensa ser frágil, vulnerável e inadequada. A sensação predominante é de incapacidade, fragilidade emocional, uma sensação de estar sozinha no mundo. Os pensamentos recorrentes são, por exemplo, “não sou boa o suficiente, não tenho ninguém que me ampare...”.

Como a psicoterapia pode ajudar?

A psicoterapia pode ajudar a pessoa a evoluir emocionalmente, a reformular seus próprios pensamentos e sentimentos distorcidos. Pode ajudar a pessoa a sair desse ciclo destrutivo, pois sua principal meta é identificar as crenças centrais e questionar sua veracidade, de modo a impulsioná-la a efetuar mudanças significativas em sua vida.

Feliz da pessoa que não consegue se identificar em nenhuma das Crenças acima. Entretanto, é possível que você se perceba em uma delas, ou duas, ainda que de forma sutil, partindo do princípio que ninguém é perfeito/a, nem igual. Cada pessoa possui características próprias na sua singularidade.

Brasília, 28 de abril de 2022.

Erondina Sena. Psicóloga Clínica, especialista em TCC – Terapia Cognitivo-Comportamental.

294 visualizações8 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Sobre a conjuntura - 21/04/2023, Por Ranulfo Peloso

Cem dias de LULA Ao analisar a conjuntura, não se pode ser otimista, nem pessimista, mas realista. Pois, a realidade não está pronta: tudo pode ser construído, desconstruído ou reconstruído. O que mov

8件のコメント


ゲスト
2022年5月02日

Muito bem, Erondina. Escreva mais!

いいね!

ゲスト
2022年5月01日

Parabéns Dra Erondina Sena! Excelente texto!!!

いいね!

fariassocorro928
fariassocorro928
2022年5月01日

Parabéns!!

いいね!

ゲスト
2022年4月29日

Parabéns pelo seu artigo Eron.Muito edificante! Parabéns mesmo. Tudo a ver com a realidade!

いいね!

ゲスト
2022年4月29日

Eron, muito interessante como você explica! Atualmente, existe muita gente cometendo suicídio, e às vezes, desconhecemos os motivos. Penso que alguém deve ter passado por situações que você expõe aqui.

Esses esclarecimentos podem salvar muitas vidas, se buscarem ajuda, acompanhamento. Você é fantástica! Admirável! Obrigada!

いいね!
bottom of page