top of page

O dever de participar na Política

O DEVER DE PARTICIPAR NA POLÍTICA

“Todo poder nasce do povo

e pelo povo deve ser exercido"

1. A maioria do povo diz que odeia a política. Fala da política pensando nos "políticos" que conhece. Essa política aparece como promessa, enganação, troca de favores, corrupção e subir na vida sem fazer força. Desiludido, o povo ameaça votar em branco, votar nulo e, se pudesse, nem votaria. Até onde o povo tem razão?

2. Não é por acaso que o povo foi ensinado que política é pra gente rica e estudada. Para acalmar o povo a elite criou o sistema de favores e o vício de ficar esperando migalhas de "autoridades". O povo vira apenas uma escada para os que se dizem "representantes do povo", de 4 em 4 anos.

3. O sentido da política é organizar o mundo onde todos possam viver como gente - ter trabalho, casa, comida, escola, liberdade, diversão, segurança. A elite não quer essa Política. Prega que política e democracia é voto e não participação consciente. É o jeito dos espertos deixarem o povo de fora e garantir o aumento de suas riquezas.

4. Todo mundo faz política. Sabendo ou não ela passa dentro de nós, na casa, na rua, no trabalho. Está presente no futebol, na TV, nas igrejas, movimentos, partidos e eleições. Porque fazer política é tomar posição, ficar a favor ou contra. É brigar para mudar ou se conformar. Cruzar os braços é tornar-se cúmplice do opressor.

5. Política é maior que eleições. É o compromisso com a vida digna e se aprende participando na vida da cidade. "Se o povo usar a força que tem, ninguém domina ele". A elite se esforça para o povo não descobrir seu poder. Quer que ele fique dependente e domesticado. O pior é quando a elite passa a morar na cabeça de lideranças e de movimentos.

6. A elite gosta de mandar e o povo aprendeu a ter medo e a obedecer. "O grande é grande porque os pequenos estão de joelhos". Tudo muda se o povo se meter na política. Muda dentro dele ao romper esse comodismo e a mania de se humilhar e pedir licença pra tudo. E muda fora porque se liberta ao não ser tratado como coisa.

7. Um candidato popular reforça o poder popular. Se compromete com a transformação da realidade. Não é alguém que, na véspera da eleição, chega com ameaças, ilusões e abraços. O voto é o sinal da convicção que só os oprimidos (crianças, mulheres, negros, trabalhadores...) são capazes de construir o mundo solidário.

Ranulfo.


64 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Conjuntura - 08/02/2023 Por Ranulfo Peloso

Análise de conjuntura não é adivinhação ou futurologia. É o esforço para ler os sinais (discursos, gestos, acontecimentos) que falam das razões, interesses e propostas que nem sempre são percebidas. A

ENTRE A DEMOCRACIA E A BARBÁRIE

O processo eleitoral de 2022 se aproxima. Partidos e candidatos se reúnem, disputam posições, fazem alianças e buscam conquistar o apoio do eleitorado. Estão faltando as propostas concretas que ainda

2 comentarios


Invitado
05 abr 2022

À propósito do que discutimos no encontro de ontem, esse texto veio a calhar.

Me gusta

Pedro Peloso
Pedro Peloso
04 abr 2022

Valeu Ranulfo. A postagem me pareceu bem clara, importante e de tamanho ideal

Me gusta
bottom of page